sábado, 23 de janeiro de 2010

Semiótica e Informática

Sendo a Semiótica uma ciência jovem e ainda não muito conhecida, alguns
questionamentos no tocante a sua eficácia e mesmo em relação a sua utilidade vêm sendo feitos desde o seu surgimento. A sua aplicabilidade também se questiona não raras vezes. A possibilidade de a Semiótica ser utilizada na interpretação dos fenômenos ocorrentes em ramos distintos da ciência gera certa desconfiança e alguns se perguntam: como pode algo ter uma aplicação tão generalizada?
Charles Sanders Peirce denominava-se antes um lógico do que um semioticista. A lógica é o elemento comum de todas as ciências. Este é o princípio que credencia a Semiótica, lembrando que Peirce dividiu a lógica em dedutiva, indutiva e abdutiva; desta forma cada ramo da ciência trabalha com um tipo específico de lógica.
A transmissão eficiente de conteúdos informacionais, o entendimento, a compreensão, o aprendizado, a interpretação sígnica fazem parte do processo de construção do pensamento. A eficácia na difusão das informações e a compreensão lógica do conteúdo em forma de signo (imagem, texto, som etc) formam a base do trabalho intermediado pela semiótica. Sistemas de comunicação visual ou interfaces gráficas tendo como medium o computador dentro de um contexto de ambiente hipermídia são um terreno propício, fecundo ao processo de semiose. O conceito de ícone se popularizou a partir dos anos 80, entretanto, o seu real significado e origem remetem aos conceitos semióticos.
A grande questão é que quando se fala de signos, semiótica e possíveis contribuições interpretativas dentro da informática, acredita-se muitas vezes que toda e qualquer colaboração da semiótica se dará exclusivamente no que se refere à interpretação de ícones, o que não é verdade, pois a semiótica enquanto ciência e filosofia da linguagem tem bases e fundamentos para interpretar fenômenos de linguagem e comunicação em qualquer tipo de atividade humana, utilizando-se de outras abordagens.

1 comentários:

Amanda , Barbara , Aymée disse...

bakana

Postar um comentário